O retrato de uma prefeitura (parte 2)

O retrato de uma prefeitura (parte 2)

(acessibilidade)
PDF 669
13502106_1166049816779234_3121959290216290476_n2
O que acontece na porta de uma prefeitura, acontece em outras partes da mesma tal cidade. Na tal cidade há inúmeros carros que estão mal estacionados em lugares não permitidos, tal como na porta da sua prefeitura. Excesso de carros e falta de ruas, e inaugurar viadutos não resolve o problema. Carros mal estacionados que atrapalham a mobilidade publica, a mobilidade urbana e a acessibilidade de seus cidadãos.

Carros ao longo de varias ruas e avenidas impedindo os usos das faixas de rolamento, como uma parada rápida para saltar ou embarcar um passageiro, como uma parada para descer um idoso ou um cidadão com dificuldades de movimentação. O espaço para um taxi pegar e deixar passageiro, uma chegada de ambulância, uma chegada de uma patrulha ou um carro de policia. Um lugar para a troca de um pneu ou a solução de um enguiço.
A pista da direita como uma pista de baixa velocidade ou pista de serviço, são ocupadas por carros estacionados ao logo do dia. Tal como na imagem da foto mostrando a frente de uma prefeitura. Carros parados em uma faixa que auxilia as necessidades publicas.
Carros estacionados em paradas de ônibus  e em travessia de pedestres. Ruas com três pistas, sendo duas ocupadas por carros estacionados ao longo das calçadas da rua ou avenida. Na tal cidade que tem como local de nascimento e vida de Luís da Câmara Cascudo, o Luís de Natal, que viveu o tempo do bonde puxado por animais.
Todos os dias proprietários de automóveis na tal cidade, tiram seus carros de uma vaga ou de uma garagem para estacionar em algum espaço de alguma rua, na porta de outra pessoa. Quem adquire um automóvel adquire um problema, e não pode colocar o seu problema na porta de uma outra garagem ou na calçada de outra pessoa. Cada um com seus problemas, sem transferir o problema para outro. Com seus ares burgueses, acreditando serem descendentes de nobres holandeses, querem sempre uma vaga na porta, principalmente nos comércios espalhados pela cidade. Acreditam que a calçada de um comercio é um espaço para estacionamento, tal como seus parentes antigos na velha cidade, que amarravam suas montarias na porta.  Como na foto, uma picape estacionada na porta, veiculo típico de fazendeiro.
Na tal cidade sempre há carros estacionados ao longo de uma rua ou avenida que limitam o acesso aos moradores e transeuntes que usam a calçada e precisam atravessar a rua. E no espaço entre os carros ainda entram motocicletas. A foto mostra uma cena rara, como uma bicicleta.
Uma dica para o prefeito: Os caminhos de acessibilidade para cadeirantes, são caminhos que outras pessoas podem também passar: pessoas sem dificuldades de mobilidade, portadores de bengalas ou muletas, carrinhos de bebe e pessoas com outras necessidades de locomoção, utilizando instrumentos ou aparelhos, que facilitem ou auxiliem a sua locomoção.  O necessitado de cadeira de rodas é um termômetro do caminho, passando com uma cadeira de rodas, outros cidadãos poderão passar também.
Rn, 24/06/16      
por   Roberto Cardoso (Maracajá)      
Colunista em  Informática em Revista
Colaborador de jornais e revistas    
Branded Content (produtor de conteúdo)    
Reiki Master & Karuna Reiki Master    
Jornalista Científico FAPERN/UFRN/CNPq    
Plataforma Lattes   http://lattes.cnpq.br/8719259304706553   
Texto anterior
O retrato de uma prefeitura (primeira parte)
PDF 667

Um comentário sobre “O retrato de uma prefeitura (parte 2)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s